Jejum intermitente, mais do que uma moda, está baseado em diversos estudos sérios. Muitas pessoas começam a aderir a essa prática em busca da perda de peso. Entretanto, uma nova pesquisa descobriu alguns outros benefícios do jejum intermitente. Ficar sem comer por 14 horas é suficiente para reduzir a pressão arterial e os níveis de colesterol e ajudar na perda de gordura abdominal (a mais perigosa que tem). Além disso, a prática auxilia no controle de síndromes metabólicas.

Lembre-se que antes de iniciar qualquer mudança alimentar, consulte seu médico e nutricionista. Tudo irá depender do seu objetivo.

Jejum Intermitente e seus benefícios

A pesquisa, publicada na revista Cell Metabolism, é mais uma prova de que o jejum intermitente não é apenas uma “moda”, mas também um método interessante para quem quer levar uma vida saudável. O estudo baseou-se em seus resultados para chegar às seguintes conclusões:

  • Jejum Intermitente emagrece;
  • Ajuda no controle de diabetes tipo 2;
  • Auxilia no controle de síndromes metabólicas.

Muitos nutricionistas e médicos que apoiam a realização do jejum intermitente dizem que esse método não é “novo”: na verdade, o corpo está condicionado a ficar longos períodos sem comida desde a era que o ser humano deveria caçar sua comida. Alguns até citam que o jejum está na Bíblia.

O ritmo circadiano regulado

Os pesquisadores descobriram que ficar 14 horas sem comer ajuda a regular o ritmo circadiano do corpo. O ritmo circadiano, conhecido também como relógio biológico, é responsável por controlar todos os processos biológicos que acontecem no organismo – desde a digestão, até a renovação das células.

De acordo com os estudiosos, não deixar uma janela de tempos em tempos para o ritmo circadiano fazer todas os processos biológicos pode aumentar o risco de síndrome metabólica. Ou seja, se estamos o dia inteiro comendo, cada dia em um horário, o corpo deverá sempre estar digerindo alguma coisa, ao invés de ter o tempo de “limpar a casa”.

Mas como funciona o Jejum Intermitente?

Há diversas formas de se fazer essa técnica. Para esse estudo, os cientistas recrutaram 19 pessoas, sendo 13 homens e 6 mulheres. Todos tinham o diagnóstico de síndrome metabólica e relataram fazer suas refeições ao longo de 14 horas por dia. Assim, ficavam apenas 10 horas por dia sem comer.

Após duas semanas de uma dieta saudável, realizada nessas 14 horas por dia, os participantes mudaram o seu ritmo. Ficavam 14 horas sem comer e faziam suas refeições ao longo de 10 horas. Após isso, os cientistas foram ver quais eram os benefícios do jejum intermitente.

O que quebra o jejum

O resultado

A análise dos resultados pelos estudiosos mostrou que os participantes que aderiram a essa prática apresentaram:

  • Melhora do sono;
  • Redução de até 4% do peso corporal;
  • Diminuição da massa corporal;
  • Diminuição da gordura abdominal;
  • Redução da circunferência abdominal;
  • Melhora nos fatores de risco para doenças cardíacas
  • Níveis reduzidos de pressão arterial, colesterol e insulina.

Em uma entrevista para o Medical Daily, Satchidananda Panda, médico que participou da pesquisa, disse: “Ao contrário da contagem de calorias, a ingestão de alimentos com restrição de tempo é uma intervenção dietética simples de incorporar, e descobrimos que os participantes conseguiram manter a programação alimentar”. Dessa maneira, observou-se que não foi tão difícil para os participantes seguirem esse protocolo quanto se imaginava.

E você, faz Jejum Intermitente?

Conte para a gente se você faz uso dessa metodologia! Está sentido melhoras ou prefere outro método? Lembre-se que antes de iniciar qualquer protocolo, fale com seu médico nutricionista!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta